Saúde

A postura da criança pode refletir sua autoestima

 

*Por Gracielle Azevedo

Não há dúvida de que a postura afeta a maneira como as pessoas tratam a si mesmas, e como os outros lhe tratam. Mas será que nas crianças isso pode nos dizer algo? A resposta é sim. A autoconfiança está diretamente relacionada à postura e os pais possuem um papel fundamental na observação desse comportamento.

Baixa autoestima e falta de amor próprio, por exemplo, levam a posturas em fechamento de cadeia ântero-superior, ou seja, ombros voltados para frente, braços rodados para dentro, projeção anterior de cabeça, com olhar voltado para o chão. Ao sentar, as crianças adquirem uma postura em “C” da coluna, com mãos sob as coxas, joelhos unidos e ombros curvados, mantendo uma evidente anteriorização da cabeça em relação ao corpo. Posturas como essa podem ser sinais de retração, falta de aceitação, que podem levar a problemas posturais e a sintomas depressivos a longo prazo. A posição descrita, também conhecida como “postura de menina tímida” pode refletir apenas um traço de personalidade, mas pode ser um sinal de alerta para os pais buscarem estratégias para tornar seu filho mais confiante.

Posturas mais expansivas, com a coluna ereta, braços estendidos, ombros rodados para traz e joelhos afastados, traduzem maior controle sobre as próprias escolhas, mais agilidade na tomada de decisões e maior segurança diante de novas situações, enquanto que posturas retraídas, por outro lado, evidenciam o oposto dessas tendências através de baixa autoestima que remove a autoconfiança da criança, necessária para seu completo desenvolvimento biopsicossocial.

Potencializar os atributos positivos do seu filho e orientá-lo quanto a sua importância na melhoria do mundo à sua volta, fazendo com que ele se enxergue como agente de transformação do ambiente em que vive, levará a criança a um desenvolvimento voltado à percepção do seu importante papel na sociedade. Isso fortalece sua autoestima e isso reverberará nos aspectos posturais, prevenindo desvios, dores e outras complicações posturais futuras.

Fortalecer a autoestima do seu filho é uma importante ferramenta para evitar desvios e alterações posturais. Ensinar ao seu filho sobre autopercepção, autocuidado e fortalecimento da autoimagem, enfatizando suas potencialidades e não suas limitações, fará com que a criança ande de cabeça erguida, com olhar horizontalizado. Isso o ajudará a respeitar a si mesmo e a ganhar o respeito do universo a sua volta.

Ensine ao seu filho a se amar mais. A coluna dele agradece!

 

*Gracielle Azevedo é fisioterapeuta pós-graduada em Saúde da Mulher e Reeducação Postural Global.

Cadastre-se e receba nosso conteúdo por e-mail

Talvez você também goste de:

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *