Educação

A hora certa para mudar seu filho de escola

Muitos pais se perguntam se há um momento adequado para trocar o filho de escola. A resposta é sim! Separamos algumas dicas para facilitar a adaptação.

Poucas coisas são tão desafiadoras para os pais como a escolha de uma escola para os filhos. Além do ensino, é preciso que a instituição seja adequada aos princípios da família, que as crianças sintam-se confortáveis e tenham amigos. Afinal, é na escola que nossos filhos passarão grande parte do seu tempo e é preciso criar as condições para que se sintam felizes. Muitas famílias fazem vista grossa às deficiências e problemas das escolas em que seus filhos já estão estudando simplesmente por medo de impor a eles mudanças na rotina e no ambiente escolar. O problema disso é que as dificuldades se acumulam com o passar do tempo. Quando a escola atual não está atendendo às expectativas da família é preciso tomar decisões. Postergar  o problema pode criar um círculo vicioso e a mudança, se feita na fase errada, acarretará traumas nas crianças e dificultará a adaptação em uma nova escola.

Especialistas e coordenadores de ensino ouvidos pelo Maadu são unanimes ao afirmar que há, sim, fases mais adequadas do que outras para as mudanças. As dificuldades de adaptação são menores quando a troca de escola ocorre depois que o aluno acabou um ciclo e está passando para outro. “Nesses momentos, a adaptação é mais fácil e rápida porque é o fechamento de uma fase, de um ciclo de vida”, explica a psicóloga infantil Nair da Silveira.  Os principais encerramentos de ciclos acontecem na migração do ensino infantil para o 1º ano fundamental, 6 º para o 7º ano do ensino fundamental e, na adolescência, no 1º ano do ensino médio.

Essa indicação temporal para as mudanças se explica por vários motivos. O inicio de uma nova etapa escolar é comum a todos os alunos e coloca os que já estudavam na instituição em situação semelhante de ansiedade e incertezas dos novatos. “Estão todos no mesmo sentimento de mudanças e novidades”, diz a psicóloga escolar Janaina Neves.  No 1 º ano fundamental, por exemplo, há muitas escolas em que o fim do ensino infantil implica na troca do prédio onde estão as salas de aula, de horários e formação de turmas mais heterogêneas devido ao grande número de alunos novos que chegam de escolas que prestam serviços até a educação infantil. Um cenário que provoca a saída de turmas inteiras de determinadas escolas para outras e cria expectativas também nos veteranos.

A migração para o ensino médio ocorre com características semelhantes. Como algumas escolas não oferecem o segundo grau, grupos de estudantes deixam suas antigas escolas para matricular-se em instituições que os preparem para a entrada na faculdade. Embora a idade dificulte a adaptação inicialmente, o aluno não sentirá tanto a mudança porque há muitos outros colegas passando pelo mesmo processo de adaptação.

É claro que essas fases servem como um ponto de partida para pais e mães dispostos a mudar os filhos de escola, e podem aguardar ou escolher a hora de fazê-lo. Mas, há os casos em que a própria criança sinaliza a hora de mudar-se. “Isso acontece se a criança está triste, aborrecida, ou sente efeitos das carências tanto na parte do conteúdo, como do social-afetivo. Cada criança é única e as famílias precisam estar atentas aos seus sinais”, diz Nair da Silveira.

Nesses casos, o melhor a fazer é envolver a criança ou o adolescente na escolha da nova escola. Os pais devem leva-los para conhecer os locais – mais de uma vez, se necessário -, deixa-los conversar com os coordenadores e olhar as turmas em andamento. “O aluno precisa sentir que é dele a escolha e que todos querem o seu melhor. Os pais não devem impor as mudanças e nem fazê-las sem o aval do estudante. Deixá-los escolher é um passo importante para a adaptação”, diz Maria Vitória Seixas, coordenadora pedagógica de uma escola em Brasília.

Se três meses após a mudança a criança não mostrar interesse pela nova escola, não relatar como foi o seu dia, não aparecer com amigos e ainda inventar desculpas para faltar aula, procure ajuda e investigue o que está acontecendo. É sempre bom ter em mente que o aluno precisa sentir-se feliz e confortável no ambiente escolar. Proporcionar um cenário adequado às necessidades da criança é a tarefa desafiadora que os pais precisam enfrentar.

ALGUMAS DICAS QUE PODEM FACILITAR A ADAPTAÇÃO

mudescolagraf

Cadastre-se e receba nosso conteúdo por e-mail

Talvez você também goste de:

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *